Dois em Um

Dois sopros distintos, opostos mas sempre juntos. Como pólos de imã, indivisíveis, multiplicáveis, no bailado suave da expansão e do recolhimento. No meio,o Silêncio, o Vazio, o Tao. O Tao e o Vazio nas suas entranhas, e por toda parte, ao derredor e além. Mistério e segredo do ilimitado que a um só tempo, oscilante, é Uno e é Par. Não visível nos mundos concretos e invisíveis. Reais e palpáveis como a sensação tátil, mais até, possível fosse comparar o incomparável, mensurar o imensurável, definir o indefinível...

Guerreiros pacíficos na dança pelo Equilíbrio, ora um engolfando o outro sem lhe tomar todo o espaço. Alternância de um recuar enquanto o outro avança, movendo a vida no eterno aquie no eterno agora, com gosto e aroma da pureza do simples na divindade, do divino na simplicidade. Eis o abraço ondulante e incessante do Yin e do Yang.O beijo sem fim e sem fôlego que respira sereno harmonia no ar. Brinde dos céus à Saúde do Ser, que explode beleza no milagre da vida e dá à luz ao Tai Chi!

Tai Chi Chuan

Taiji Quan (em chinês: 太極拳 pinyin: Tàijí quán) Tai Chi Chuan, é uma arte marcial interna chinesa, parcialmente baseada no bagua (py bā guà 八卦), categoria esta nomeada em chinês neijia (內家).

Este estilo de arte marcial é reconhecido também como uma forma de meditação em movimento.

Os princípios filosóficos do taiji Quan remetem ao taoismo e à alquimia chinesa.

A relação de yin e yang, os cinco elementos, o ba gua (Oito Trigramas), o Livro das Mutações (Yi Jing) e o Dao De Jing de Lao Zi são algumas das principais referências para a compreensão de seus fundamentos.

Os textos clássicos do Taiji Quan escritos pelos mestres orientam a:

  - Vencer o movimento através da quietude (Yi Jing Zhi Dong) 以靜制動
  - Vencer a dureza através da suavidade (Yi Rou Ke Gang) 以柔克剛
  - Vencer o rápido através do lento (Yi Man Sheng Kuai) 以慢勝快

O taiji quan tem suas raízes na China, sendo, atualmente, uma arte praticada no mundo todo.

É apreciado no ocidente especialmente por sua relação com a meditação (dao yin) e com a promoção da saúde, oferecendo, aos que vivem nas grandes cidades, uma referência de tranquilidade e equilíbrio.

Yang Chengfu na postura do taiji conhecida como "chicote" (tan pien), c. 1918.

Os criadores do taiji quan basearam sua arte na observação da natureza - não apenas na observação dos animais, mas também no estudo dos princípios da interação entre os diversos elementos naturais.

Como somos parte desta natureza, o conhecimento destes princípios e de como atuam dentro de nós, estudados pela medicina tradicional chinesa, revelam o taiji como uma fonte efetiva de energia que encontra-se em nosso interior, situada na região do corpo nomeada pelos chineses de dantian médio.